Cultura POP

Histeria: Jô Soares dirige comédia inteligente!

By  | 

Rir é sempre o melhor remédio! A vida seria bem mais chata sem o humor. E é justamente isso que nos propõe a peça “Histeria”, dirigida por Jô Soares, e que está em cartaz no Teatro Raul Cortez, em São Paulo. Usando do humor e de situações inusitadas, o texto fala de temas delicados da vida do pai da psicanálise, Freud.

histeria peça jô soares são paulo

Histeria é, antes de tudo, uma comédia delirante. Narra o encontro do pai da psicanálise, Sigmund Freud, com o mestre do surrealismo, Salvador Dalí. Escrita em 1933, pelo dramaturgo inglês Terry Johnson, a peça ganhou elogios em suas montagens Europeias. Foi exatamente em uma dessas apresentações que Jô Soares conheceu a obra e resolveu traduzir o texto e dirigir a versão brasileira. O que tornou o projeto possível foi o patrocínio da Total Lubrificantes!

Em 1938, Freud (Norival Rizzo) está com câncer e às portas da morte, quando recebe a visita do pintor surrealista Salvador Dalí (interpretado por Cassio Scarpin). Morando em Londres recentemente, fugindo da ocupação nazista, o psicanalista aceita atender o artista por pedido de um amigo.

histeria peça jô soares são paulo

Durante uma série de eventos alucinantes, Freud se vê questionado pela figura de seu amigo médico (papel de Milton Levy) e acaba se envolvendo em uma confusão com uma mulher jovem e atraente, vivida por Erica Montanheiro. Aliás, as situações provocadas pelo personagem de Erica são as que dão o tom da comédia.

Veja também  O Guardião Invisível: best-seller mundial chega ao Brasil e aos cinemas!

O elenco, de forma geral, está bem afinado e tem o timing certo no palco para que os sutis e inteligentes diálogos consigam tirar risos da platéia. Ao mesmo tempo, o texto insere questionamentos e reflexões mais profundos sobre temas da psicologia e da própria sociedade da época.

A peça tem seu ápice depois dos primeiros 10 minutos de apresentação. E o ritmo dura por boa parte do tempo, perdendo um pouco de força ao final. Ainda assim, o embate entre arte, alucinações, psiquê humana e surrealismo garante uma montanha-russa de emoções do começo ao fim. Histeria ainda guarda o trunfo de abordar a evolução do século 20 e suas incríveis transformações.

histeria peça jô soares são paulo

E a era da revolução industrial, das drogas, da medicina, das artes e do sexo é que dá o ritmo a Histeria. Terry Johnson soube trabalhar todas essas influências com pitadas de humor essencial. É a comédia que permite ao público entrar nesse universo de maneira suave. E assim poder refletir sobre algumas das questões existenciais e de reflexão do passado que o texto traz. Como diria a própria psicanálise, o “chiste” (ou piada) é fundamental para entender e aceitar o mundo real. Ela é que dá leveza ao mundo (e pode lidar com a depressão).

Vale destacar a atuação de Scarpin, que faz um Dalí tão surreal quanto sua obra. E o brilhante Norival, que está bem à vontade no papel do grande pai da psicanálise. Histeria é uma obra divertida, mas que está longe de ser uma simples comédia. É um texto refinado, que consegue fisgar os mais curiosos e que buscam por um humor fora do convencional. É uma lufada de bons ares em um teatro de comédia que padece com um humor atual tão frágil.

Veja também  Tipos de mãe: escolha o presente certo para a sua!

Além de Histeria, Terry Johnson assina outros textos teatrais onde a alma humana e a ótica de uma determinada sociedade são colocadas em cheque. Dentre eles, “The Graduate” (A Primeira Noite de Um Homem), “Memory of Water” (A Memória das Águas) e “Hitchcock Blonde”. Além de trabalhos como diretor, que incluem “The Libertine (O Libertino)” e “One Flew Over The Cukoo’s Nest” (Um Estranho no Ninho).

Se você procura por humor de qualidade nos palcos e grandes atores, Histeria é para você!

Vai lá:  Sexta às 21h30 | Sábado às 21h | Domingo 19h (Preços: Sexta R$ 60 | Sábado e Domingo R$ 80)

 

Fotos: divulgação

Erisson Rosati é jornalista, especializado em moda e beleza. Já atuou em grandes veículos como Portal IG, TOP Magazine e Cabelos e Cia. É assessor de imprensa e professor de cursos livres da Universidade Belas Artes.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: