Lifestyle

Sintomas da depressão: veja 5 sinais de alerta!

By  | 

A depressão é considerada o mal do século. Estresse, vida agitada, cobranças, falta de dinheiro, tudo contribui para deixar a vida moderna mais complicada. Segundo dados da OMS, a depressão atinge mais de 300 milhões de pessoas no mundo de todas as idades e classes sociais. Entenda aqui quais os cinco sintomas da depressão mais comuns e como se defender deste mal.

sintomas da depressão em idosos

O grande problema em tratar a depressão é que ela é uma doença silenciosa, que costuma ter vários graus. Vai tomando o indivíduo aos poucos, minando sua força de vontade, e se torna um monstro, difícil de lidar e de falar sobre. Afinal, quem nunca ouviu a máxima de que “depressão é frescura”. Não é! A doença pode incapacitar a pessoa e até levar ao suicídio.

“A depressão é um estado de esvaziamento afetivo, de perda da energia vital, do entusiasmo, da motivação e da disposição de viver” – define o psiquiatra Pedro Almeida.  Não se deve confundir a tristeza ou angústia com a depressão. Estes são sentimentos naturais, que inclusive são produtivos para o homem. No entanto, são sensações passageiras, que podem ser superadas. “Quando a sensação de angústia e tristeza não passam e começam a afetar a vida funcional do paciente, temos a depressão.” afirma Pedro.

Conheça aqui 5 dos sintomas da depressão mais comuns:

Cansaço excessivo

Um dos primeiros sintomas da depressão é o cansaço. A psicóloga Tatiane Paula Souza explica que o indivíduo perde o interesse pelas atividades da vida diária. “Coisas que antes davam prazer ou necessidades básicas, como cozinhar e tomar banho, passam a exigir um esforço extra.” – define.  Mesmo que a pessoa não trabalhe ou pratique exercícios a sensação é de que está sempre cansada.

Veja também  Hora do Lanche: conheça o poder das frutas e castanhas

Tristeza que não passa

Insatisfação com a escola ou o trabalho, sensação de inferioridade, desvalorização das capacidades pessoais, isolamento social, sentimento de culpa, vontade de sumir ou falta de vontade de viver. Tudo isso resultando em profunda tristeza e frustração. É natural que apareçam crises de choro, pensamentos negativos e, até, pensamentos suicidas.

crianças isolamento por depressão

Irritabilidade

É natural que o depressivo sinta-se com uma lentidão de pensamento e com pouca paciência para quem o cerca. Nesta fase são normais a dificuldade de controlar a raiva, destruição de objetos pessoais e inclusive agressões verbais e físicas. “Pode haver episódios de tremores e sudorese. E é importante manter-se atento ao abuso de substâncias.” – alerta a psicóloga.

Dificuldade de concentração

Sabe aquelas atividades simples como lembrar-se de compromissos, estudar, prestar atenção em um filme, acompanhar uma aula ou manter uma conversa com alguém? Pois é, o depressivo passa a sentir muita dificuldade com essas pequenas coisas. É natural perder compromissos e não se sentir atraído por qualquer tipo de entretenimento. É um dos principais sintomas da depressão.

Somatizações no corpo

É natural que ao não realizar estas atividades rotineiras e sentir-se cobrado pela vida que segue, o depressivo venha a desenvolver sintomas da depressão nos aspectos físicos. Segundo Tatiane, entre os mais comuns estão dor de cabeça; alterações no humor; sensação de morte (descritas pelos pacientes como aperto no peito), sensação de peso nas pernas, tremores, sudorese, entre outros.

Veja também  Alimentação e insônia: o que pode e não pode?

sintomas da depressão tratamento

Tratamento

Para o psiquiatra Pedro Almeida: “Não podemos olhar para nossa mente como algo fora de nosso corpo. Uma alimentação adequada, a prática de exercícios físicos, períodos de sono adequados e o respeito aos próprios limites são fundamentais.” No entanto, é preciso estar alerta pois, muitas vezes, o depressivo descuida de cuidados pessoais, como higiene e alimentação, e se recusa a aceitar ajuda.

O tratamento envolve um diagnóstico por um psiquiatra. ” O preconceito com a figura do psiquiatra, muitas vezes, leva a uma postergação da primeira consulta e uma piora da depressão dificultando a recuperação e aumentando os riscos de suicídio.” – explica o médico. O acompanhamento com psicólogo é fundamental para ajudar a lidar com as situações causadas pela doença. A intervenção medicamentosa pode ser necessária e a maioria dos medicamentos atuais apresenta poucos efeitos colaterais.

“Toda manifestação de vontade de morrer ou se machucar deve ser levada a sério, ouvida e avaliada. Toda tentativa de suicídio deve ser avaliada em caráter emergencial.” – finaliza Pedro Almeida.

Pronto, agora você já sabe identificar a depressão e sabe que deve buscar ajuda! Fique atento!

 

Erisson Rosati é jornalista, especializado em moda e beleza. Já atuou em grandes veículos como Portal IG, TOP Magazine e Cabelos e Cia. É assessor de imprensa e professor de cursos livres da Universidade Belas Artes.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: